selo
Foto da instituição
Pesquisa
Pesquisa e Iniciação Científica

A pesquisa, numa Faculdade, está diretamente ligada ao ensino do "Aprender a aprender"; esse é o grande objetivo das instituições privadas com muitos cursos noturnos. Como Faculdade, a Católica do Tocantins, não tendo a preocupação com a "grande pesquisa", marcada pelo rigor e sofisticação técnicos, procura encarar a pesquisa como elemento que atribui qualidade, pertinência e relevância ao próprio discurso educacional desenvolvido dentro da instituição. A comunidade acadêmica da Católica não acredita que possa haver ensino sem pesquisa. A curiosidade cientifica associada ao desejo de intervenção na realidade criam e recriam o espaço dialógico e complementar entre ensino/pesquisa; como também imprimem no profissional egresso a curiosidade científica que gera protagonismo e espírito de iniciativa.

A Católica do Tocantins possui uma postura de incentivo à pesquisa manifesta de diversas formas – a saber:

  1. Pesquisa como atividade de iniciação científica, incentivando a produção dos alunos dos cursos de graduação e tecnológicos.
  2. Pesquisa incentivada de docentes para a elaboração de suas teses, dissertações ou monografias de conclusão de cursos de pós-graduação, com a finalidade de melhorar a qualificação docente.
  3. Pesquisa vinculada à área de desenvolvimento educacional, com vistas a atender o seus programas de melhoria de qualidade de ensino.
  4. Pesquisa voltada para solução de problemas da comunidade.
  5. Pesquisas individuais dos docentes que por interesses próprios obtiveram auxílios institucionais.
  6. Pesquisas institucionais, ligadas às linhas de pesquisa, com apoio interno e externo das várias fontes de fomento.
  7. Pesquisas na área de revisões bibliográficas para apoio aos projetos interno de auxilio aos cursos de graduação/tecnológicos.

Linhas de Pesquisas Institucionais em Nível Macro

Desenvolvimento Sustentável

Os estudos a serem desenvolvidos nesta linha de pesquisa abordam os princípios da sustentabilidade com ênfase nos quatro elementos do Desenvolvimento Sustentável — sociedade, ambiente, economia e cultura. A finalidade é realizar pesquisas que busquem definir e operacionalizar um modelo de desenvolvimento sustentável fundamentado no tripé do desenvolvimento econômico, desenvolvimento social e conservação ambiental. Busca-se encontrar formas de desenvolvimento econômico que se sustentem sem a redução drástica dos recursos naturais e danos ao meio ambiente. Isto é, implementar ações e obras necessárias ao funcionamento dos sistemas econômicos e ao provimento de melhores condições de vida às populações preservando os recursos naturais. Para tal fim, as pesquisas abordarão temas como: pobreza, desperdício, degradação ambiental, decadência urbana, crescimento populacional, igualdade de gêneros, saúde, conflito e violência aos direitos humanos, entre outros.

Tecnologia, comunicação e inovação

O atual ambiente em que as organizações estão inseridas passa por constantes mudanças decorrentes da abertura dos mercados internacionais, das inovações tecnológicas e do avanço da comunicação. Nesse cenário dinâmico, as organizações devem adequar-se às novas condições para se manter competitivas. Um ponto fundamental para que as organizações percebam a necessidade de mudanças e lidem positivamente com elas está diretamente relacionado com a capacidade de identificar e fazer uso das tecnologias de informação, de produção e de comunicação dentro da perspectiva da inovação. Diante desse contexto, faz-se necessário desenvolver estudos e pesquisas que visualizem um mosaico de iniciativas a fim de dar respostas aos desafios e promover mudanças nos padrões existentes, que não mais correspondem às perspectivas da sociedade moderna. Dessa forma, esta linha de pesquisa enfocará temas ligados à difusão das tecnologias de informação e comunicação, reflexão e análise dos meios de produção, competências gerenciais e organizacionais, gestão de empresas, desenvolvimento e implantação de sistemas de informações gerenciais, entre outros.

Redes de cooperação

A atuação em redes de cooperação se caracteriza como uma importante alternativa para a sociedade. Muitas organizações caminham para o estágio de cooperação. Elas estão derrubando as fronteiras e se organizando sob o formato de associações, cooperativas, clusters, aglomerados, entre outras formas de cooperação, ao combinar as competências e conhecimentos. A cooperação surge como uma estratégia de relacionamento tanto em nível de organização de pessoas, como em grupo de organizações. O trabalho em redes de cooperação possibilita ganhos coletivos por meio do compartilhamento de recursos, troca de conhecimento, aprendizagem organizacional, disseminação da informação, bem como defesa contra as incertezas e a realização de certos objetivos, os quais seriam inalcançáveis por meio das ações isoladas. Fica claro que uma das soluções para a melhoria da performance das organizações reside em atuarem de forma mais cooperativa, ou seja, atuar sob o formato de redes. Dessa forma, nessa linha de pesquisa, pretende-se estudar e analisar temas teóricos e práticos relacionados às diversas formas de cooperação existentes e verificar a viabilidade dos acordos de cooperação para sociedade moderna.

Para garantir a eficiência e a eficácia da pesquisa dentro da IES, foi criada a Coordenação de Pesquisa e um Comitê Técnico-Científico, como órgão consultivo da Vice-Diretoria de Ensino, Pesquisa e Extensão. A missão desse comitê é a assessoria em matéria de pesquisa, que visa a otimizar as atividades nessa área.

Todos os documentos:

2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

Formulários

Formulário Pesquisa I - Ficha de Inscrição ao Programa de Bolsas de Iniciação Científica da Católica do Tocantins (2016/2017)
III Jornada de Iniciação Científica - Ficha de Inscrição e Normas para Elaboração de Resumo Expandido - 2013
Modelo Relatório PARCIAL dos Projetos de Pesquisa : PIBIC/FACTO, PIBIC/CNPq e PIBITI/CNPq
Modelo Relatório FINAL dos Projetos de Pesquisa : PIBIC/FACTO, PIBIC/CNPq e PIBITI/CNPq